O VERDADEIRO DESAFIO DO SACERDÓCIO

isis jovem                                                                                                                          Mavesper Cy Ceridwen

Quando as pessoas buscam ingressar na Wicca estão preocupadas com uma coisa só: sua iniciação. Algumas de um ponto de vista menos esclarecido e mais superficial, se preocupam com iniciação porque é um requisito, do tipo que é  ter diploma de alguma coisa para exercer uma profissão. Outras pessoas, mesmo quando mais esclarecidas, ainda assim estão focadas na iniciação, mas daí já tem uma idéia mais clara sobre a Iniciação ser um processo de transformação de vidas, o marco inicial de uma Vida Sacerdotal.

E as pessoas, mesmo as mais esclarecidas e que vão se tornando praticantes experientes, quando neófitas acham que o desafio maior é conseguir se iniciar. Encaram mesmo o rito iniciático como uma colação de grau, algo que se esgota em si mesmo e da uma qualidade que a pessoa jamais perderá. Será verdade?

Claro que não: o enorme desafio do Sacerdócio se chama CONTINUIDADE, ou seja, você vai mesmo persistir por toda sua vida nessa escolha de ser uma Sacerdotisa ou um Sacerdote? Muita gente, muito entusiasmada nos primeiros anos, começa a perceber que o desafio é grande demais quando as Rodas começam a se acumular.

A primeira coisa que pesa é que SACERDÓCIO É SERVIÇO, contínuo e permanente aos Deuses, com todas as suas qualidades e o máximo de seus esforços. Nem sempre a Deusa exige isso todos os dias, mas muitas vezes exige sim, e por grandes períodos.

Pessoas que têm vocação sacerdotal sabem – ou deveriam saber – que sacerdócio se traduz em serviço. De muitos tipos e maneiras, mas sempre a inequivocamente SERVIÇO. Pode ser somente na sua cozinha ou em grandes ritos públicos, pode ser somente meditando ou tendo vocação para dar aulas… COMO o serviço é feito, somente a Deusa decide e isso muda de tempos em tempos.

Mas há algo que é comum a toda Sacerdotisa e Sacerdote: uma hora repetir os ritos toda lunação e sabbats, manter a roda girando, atender pessoas que nos procuram, servir o tempo todo pesa. A vida pessoal sofre, o lazer é deixado de lado, o ócio é sacrificado, a convivência familiar diminui.

E não só o tempo que o Sacerdócio demanda é o problema. Há um problema maior: as vezes a gente desanima. O que antes dava muito prazer – armar altares, preparar feitiços , fazer meditações – não dá mais tanto prazer ou parece um fardo. Tudo fica sem graça, tudo parece difícil e não vemos resultados.

Isso não ocorre só com Dedicados, ocorre até comigo e com gente muito melhor e mais velha na bruxaria do que eu. Sabem por que? Porque “That ‘s Life”.

Porque a Roda da Vida tem CICLOS de desânimo e entusiasmo e nosso Sacerdócio, como TUDO que existe também tem. Uma hora estamos em cima, outra estamos embaixo. Como a Deusa me disse certa vez, não é difícil entendê-la, porque Ela na verdade tem uma só lição: A LIÇÃO DOS CICLOS.

Então, quando estamos em baixa de entusiasmo, temos que compreender que é assim mesmo e persistir, porque a Roda vai girar e nos levará a outro ciclo de grande prazer com nosso sacerdócio. Basta esperar e aproveitar as lições e dadivas que o desânimo esconde e que somente ele pode nos revelar… Isto é, SE  E SOMENTE SE  não esquecermos do porquê começamos tudo isso.

Lembra do Chamado? Lembra do dia em que você olhou a Lua e viu nossa Mãe? Quando olhou a árvore e viu o Green Man pela primeira vez? Olhou o Sol e viu o Senhor Chifrudo? Lembra?

Em uma fase muito difícil do meu Caminho, lá no começo, uma noite de esbat eu estava muito triste. Era novembro e eu acabara de sair de um grupo que amava muito e em que estivera alguns anos. Olhei a Lua na minha janela do apartamento, cheia e linda, e as minhas coisa ritualísticas de Ísis sobre a cama esperando o início da celebração do esbat. Há  cinco rodas eu celebrara em grupo, essa seria minha primeira celebração sozinha.

Tracei o Círculo, muito triste, pensando que o meu antigo grupo estava começando o mesmo rito naquele horário.  Fiz os ritos, orações e comecei a meditar. Havia programado meditar sobre o sacerdócio, mas na verdade comecei a ir a uma vida passada , em Roma. Vi a cidade claramente e me vi fazendo compras de frutas em um mercado, acompanhada de outras sacerdotisas do templo de Ísis. Vestíamos linho branco e era escoltadas pela guarda do templo. Lembro do sabor das uvas pretas e pêssegos, lembro do sol brilhando na casca das frutas, lembro com nitidez cada recanto e pessoa  daquele grande mercado.

Depois, a Visão mudou e me vi menina, de uns 11 anos. Vestida de branco, com uma toga curta e acompanhada de mais umas quinze meninas da mesma idade. Entraríamos no Templo pela primeira vez, onde seríamos recebidas como aprendizes e depois noviças. A instrutora nos recebeu no pátio externo, e nos conduziu, mas alguma coisa chamou minha atenção e fui para a direita, enquanto elas entravam com a instrutora. Ao lado do jardim magnífico com um tanque ao centro, estava uma estátua de Ísis Menina. Eu a olhava fascinada, porque achava, com minha visão de criança que Ela era muito parecida comigo mesma. E quando olhei a estátua, quando meus olhos encontraram os Dela, me apaixonei perdidamente, me perdi dentro da imensidão que é Ela…Conheci Ísis pela primeira vez e meu coração se inundou de um amor indescritível, algo sem comparação, sem rivalidade.  Nada podia ultrapassar aquele sentimento. Amei Ísis desde aquele momento e soube que toda minha vida seria dedicada a ela com amor. Não havia para mim mais nem vislumbre de outro modo de viver.

Nessa hora, escutei a Voz de Ísis e ela me disse: “Lembre-se sempre,em todo seu sacerdócio,  e em qualquer vida, que esteja onde você estiver e faça o que fizer a única coisa que importa é que você mantenha no seu coração a consciência desse momento em que você me viu pela primeira vez e me amou. Se ele nortear sua vida, nada pode estar errado. Vocês erram ao se afligir sobre entrar ou sair em grupos. Vocês não estão neles por seu desejo e vontade, mas tão somente porque é o melhor para mim e meu serviço. E seja sozinha ou acompanhada, esteja onde estiver se você mantiver no coração seu amor por mim, nunca errará”.

O verdadeiro desafio do Sacerdócio é esse: seu amor à Deusa e ao Deus vencerá ano após ano os ciclos de desânimo, preguiça, problemas e medo? Você os compreenderá e aceitará serenamente ( mesmo reclamando, porque ninguém é perfeito) como parte de seu serviço e aprendizado? Que cada um responda com sua vida.

Vivendo por Maat,

Mavesper Cy Ceridwen, que também os Deuses conhecem como Mirabilis Cy An Kether

Escrito por Mavesper Cy Ceridwen

Anúncios

OS DEUSES NÃO DEVEM EXPLICAÇÕES

triple_goddess_by_benu_h-d4oec15 

 

                                                                               Mavesper Cy Ceridwen

Uma dúvida muito comum  para novatos que começam a se aproximar da Wicca é sobre o pós-morte. Como a Wicca o explica? O que nos acontece depois da morte? Por que temos as vidas que temos? Cremos em evolução da alma como princípio de expiação de faltas cometidas em vidas passadas? A reencarnação existe para que nos aperfeiçoemos?

As respostas para essas perguntas geralmente são muito simples: desde que se creia em retorno da alma, porque a espécie humana não tem nenhum tratamento especial na natureza e volta em seus descendentes como qualquer outro ser vivo, das bactérias às sequóias, passando pela baleia e o cajueiro; desde que não se veja a “evolução” como um conceito ligado a religiões de salvação, há uma gama muito ampla de respostas cabíveis sobre isso na Wicca. Geralmente, desde que dentro de parâmetros pagãos, desde que se creia em retorno, se pode acreditar em muitas formas de como esse retorno ocorra ( note bem: mantendo parâmetros coerentes com o paganismo).

Mas o propósito deste texto não é discutir o pós-morte na Wicca, mas sim o que ocorre quando um wiccaniano experiente responde a um neófito que o pós-morte não é uma preocupação central em nossa religião. Há os mais diversos tipos de reação, no mais das vezes reações assustadas ou agressivas do tipo: “ Mas como assim vcs não se importam?? Como se explica isso ou aquilo? Vcs não querem explicações para a morte? É preciso entender porque a morte ocorre, como é depois, é preciso ter um sistema lógico de recompensas e castigos que explique porque estamos aqui….”

Gente, gente… se vcs desejam ser pagãos precisam crescer um pouco nesse tema. Para um pagão NADA QUE HÁ NO UNIVERSO PRECISA DE EXPLICAÇÕES RACIONAIS EM TERMOS HUMANOS. A Deusa e Seu Consorte não são pessoas, logo a Divindade, o Todo,  tem razões que jamais conheceremos e age por caminhos que muitas vezes nem temos condições de compreender. Aliás, nem temos condições de compreender o que são os Deuses em sua plenitude, porque eles não obstante sejam cada um de nós também são maiores que  a soma de todos nós…

Pagãos não buscam na sua religião explicações para nada. Não precisamos disso. Vivemos simplesmente.

Sabemos que o pós-morte existe, e que o retorno também, simplesmente porque são fatos da natureza. Não existe uma vida espiritual “superior” à vida material, simplesmente porque espírito e matéria são igualmente valiosos e esta vida é uma recompensa em si mesma.

Daí vem os questionamentos clássicos ( a maioria deles oriunda do kardecismo), por exemplo: “Por que alguém nasce com um braço defeituoso?” . As pessoas estão acostumadas a ouvir respostas espíritas, do tipo “Fulano nasceu com deficiência física porque na vida passada assassinou a mãe com aquele braço que agora é deformado.” As pessoas se sentem seguras com essas crenças, elas se sentem tranquilizadas pensando “Eu não vou nascer aleijado na próxima vida, porque não matei minha mãe”. Ou então: “Ah! Agora sim! Eu entendo racionalmente porque o Universo é como é!” Meras falácias. Traduzindo: as pessoas usam crenças como essa no pós vida racionalmente justificado para ter menos medo da morte e da próxima vida ou para satisfazer necessidades de racicíonio.

Um pagão responde essa mesma pergunta assim: “ Como há frutas ou animais que nascem deformados, às vezes há mal formações em pessoas. Isso não tem motivo nenhum, é apenas uma expressão da natureza, tão válida como qualquer outra e NÃO TEM NENHUMA EXPLICAÇÃO EM TERMOS HUMANOS. Simplesmente é assim porque é natureza e ponto final”.

Pessoal. É hora de crescer.

– Não, os Deuses não nos devem explicações.

– Não, o pós-morte, bem como qualquer outro fato do universo não precisa de explicações racionais em termos humanos.

– Não, não há nenhuma incoerência em apenas viver e gozar a vida, sem preocupações sobre retribuições nas próximas ( o que não significa dizer que se advogue um “vale tudo “ de atitudes. A ética pagã é exigentíssima, especialmente pela crença na Grande Teia – todos estamos interligados e o que fazemos afeta o Todo e retorna a nós).

A única forma em que podemos empregar a palavra “evolução” para definir o que o processo reencarnatório/ retorno  faz com as pessoas, e com tudo o mais que existe, é se entendermos esse termo como acúmulo de experiências e conhecimento. Nada a ver com evolução como “aperfeiçoamento” do que já é perfeito. Somos os Deuses vivos e respirando no mundo. Perfeitos em nossa eterna imperfeição, como eles mesmos o são.

Como diz a música da Enia: “You don’t need a reason.. let the day go on and on…”

( Vc não precisa de uma razão… deixe o dia seguir, seguir…- “Wild Child – by Enia)

Bênçãos de Dannu, a Senhora do Caldeirão Que Dispensa Explicações,

Mavesper Cy Ceridwen

GLAMOUR

keep-calm-and-be-glamorous-15 por Mavesper  Cy Ceridwen

Um assunto que vira e mexe vem a tona é o Glamour. Tenho visto algumas observações sobre ele, especialmente tratando-o como um feitiço. Glamour não é um feitiço, mas sim uma técnica mágica complexa, que pode ou não envolver feitiços.
Explico: glamour é uma técnica mágica de alteração de aparência, espécie de um tipo de técnica genericamente chamado de shapeshifting, ou seja, mudança de forma. Não é magia simples, é magia avançada, por isso não é um simples feitiço que a faz funcionar. Antes de alguém poder mudar magicamente sua forma (lembrando que isso se manifesta como uma ilusão de mudança física) precisa de uma conexão profunda com os 4 elementos, além de dominar técnicas de projeção de imagens e
moldagem de campos energéticos, especialmente os campos áuricos.
O shapeshifting é magia avançada e deve ser praticada por quem puder. Mas não adianta querer copiar o filme “As jovens bruxas” ou tentar outras tolices que já vi na rede, que não funciona. Adianta sim nos conectarmos aos 4 elementos, nos aprofundarmos nos caminhos da magia e ir aprendendo a lidar com a energia em nosso rituais.
Uma pessoa ontem ( desculpe, não anotei o nome) ficou indignada com o uso do glamour, o que, realmente, me surpreendeu. Por que essa indignação? Creio que isso vem da pouca compreensão para o que serve o glamour, ou o shapeshifting em geral.
O glamour é uma habilidade mágica muitíssimo útil, porque pode fazer vc passar desapercebido em algum lugar, ou pode servir para mil coisas. Suponhamos que vc esteja tomando conta de uma criança pequena ou de alguém muito doente, que estranha vc. VC pode usar o glamour para parecer aos olhos dela sua mãe, por exemplo, acalmando a criança ou o doente. VC pode usar o glamour para, se precisar falar em publico, parecer uma pessoa em quem todos confiam, ou uma pessoa que
chame a atenção e seja mais interessante. O glamour tem mil finalidades que não são nem um pouco fúteis, fútil pode ser quem o usa ( ou acha que usa) sem saber para que serve.
O glamour ou o shapeshifting podem proteger vc de inimigos mágicos em outras realidades dimensionais, funcionando como uma espécie de disfarce. Talvez dominar técnicas de glamour signifique salvar sua vida em uma dessas dimensões. Portanto, não desprezem técnicas mágicas só porque vcs não as compreendem.
Mas não adianta querer falar de magia avançada com novatos. Meu conselho: apliquem-se em técnicas de conexão com os
elementos, exercícios e treino de criação e direcionamento de energias, também se apliquem nas técnicas de visão, ou scrying. Glamour é caso de pós-graduação :))
Posso sugerir uma seqüência de exercícios para vcs conseguirem começar a praticar. E lembrem-se que prática é exercício, quanto mais se faz melhor se fica naquela matéria.
1) Praticar a visualização criativa com meditação
2)Transferir sua consciência para objetos e animais
3) Começar a treinar o reconhecimento de qualidades de energia ( por exemplo, feche os olhos e descubra cartas embaralhadas só pela energia, reconheça cores só com as mãos)
4) Comece a treinar a recepção consciente de energia. Comece pelos elementos, depois arvores, cristais, animais, pessoas, Deuses
5) Treine a concentração de energia recebida de outrem e separação da sua
6) Treine o moldar da energia recebida e a mescla com a sua própria;
7) Treine o moldar da energia recebida na forma que vc deseja e projete isso fora do corpo como uma veste.
Como vcs devem ter entendido, não é fácil de explicar e realmente implica a compreensão de diversos e complexos conceitos, se vc tentar aprender com a razão. Por isso mesmo, a melhor maneira de aprender shapeshifting não e´o racional… é o sentir a energia dos deuses, animais, etc e sentir que vc a
possui, como se fosse uma cópia energética, moldar uma mascara ou veste com isso e vestir. Escolha um parceiro e treine com ele, alternando quem vai tentar projetar o glamour ou a imagem, em um quarto iluminado só com uma vela. Troquem suas impressões e lembrem que nessas coisas não adianta se
auto-iludir… ou dá certo ou não.

REQUISITOS PARA SER UM INICIADOR OU LÍDER DE COVEN

( Texto de Mavesper Cy Ceridwen e Naelyan Wyvern)
Iniciação

Iniciação

 
 
O que é necessário para alguém ser um@ Iniciador@ ou liderar um coven?

1) Conhecimento racional amplo sobre história da Arte, panteões, composição de rituais e feitiços e treinamento mágico; energia e seu comportamento, fenômenos paranormais, e técnicas e ciências afins da bruxaria, tais como oráculos, astrologia básica, cristaloterapia, radiologia e uma grande número de outras técnicas que podem ser auxiliares do trabalho do brux@.

2) Dominar técnicas de magia avançada, como criação de aliados mágicos, defesas e guerras mágicas, vivência ampla nos diversos mundos astrais, criação e destruição de seres energéticos, magia de conservação da vida, magia de contenção, transferência de consciência ( só para citar alguns poucos exemplos).

3) Profunda vivência da Deusa e do Deus em suas muitas faces, reconhecendo no seu dia a dia as lições dos Antigos.

4) Ser, há diversos anos, instrumento dos Deuses Antigos no Mundo, operando seus dons: cura, banimento, limpeza e selamento de ambientes, magia simpática, magia temporal, magia climática, magia herbária, magia de velas, magia de nós, magia de mudança de formas, magia de comunicação, magia de portais, magia de deslocamento, magia de música e dança, magia de comunicação energética, entre outras.

5) Compreensão profunda das bases do paganismo moderno, de seu desenvolvimento histórico e a história da Arte, especificamente, suas diversas vertentes e a Wicca especificamente.

6) Compreensão amplíssima dos ciclos da natureza em relação a seu corpo e fenômenos que levam à compreensão da Deusa, do Deus e de cada elemento, bem como a noção de integração ao Todo. Notem: para ser um iniciador não é preciso somente saber disso, viver isso, mas também saber como mostrar isso aos outros e facilitar-lhes a experiência que ele mesmo já teve;

7) Ter um auto-conhecimento já bastante avançado e ser uma pessoa madura, equilibrada e consciente de que iniciar e liderar outros EXIGE um dom específico de ensino, um compromisso maior de entrega e serviço ao iniciando, uma vocação específica para servir à Deusa desta maneira.

8) Saber que o trabalho de integração da sombra e a ação da Deusa Negra em sua vida é interminável e exige sempre empenho, coragem e centramento.

9) Ter consciência de que liderar um círculo ou coven não é exercer poder sobre ninguém, mas ser o mais humilde servidor de todos os que viverão o sacerdócio sob seu comando (lembrem-se: no rito de iniciação na Wicca é o iniciador que se ajoelha aos pés do que está sendo iniciado…).

10) Estar apto a resolver problemas mágicos que, não raramente, colocam em risco a vida das pessoas que compõem o grupo e seus entes queridos. Ou seja: quem não se garante e não pode garantir a segurança absoluta de um grupo todo não deve se meter a liderar nada.

11) Ser capaz de atender problemas de pessoas que busquem ajuda do coven em nome dos Antigos, por exemplo, ser capaz de conduzir um exorcismo, tornar segura uma casa assombrada ou controlar um fenômeno poltergeist…Facinho, né? Tarefas como essas chegam aos covens de verdade freqüentemente…

12) Ser capaz de compaixão profunda por seus dedicados, compreendendo suas dificuldades e acolhendo seus problemas em sua vida como se fossem dele mesmo. Iniciar alguém é formar com esse alguém um laço que perdurará por toda a vida, arrastando consigo todas as demais relações e energias do líder do coven /iniciador.

13) Estar apto a lidar com pessoas em surtos psicológicos de variados graus de intensidade, pois o processo de auto-conhecimento pode levar ao desespero e à doença mental/emocional muitas pessoas com egos mais fracos

14) Saber administrar os problema de relações pessoais e conflitos de coven, guardando o cumprimento estrito do Perfeito Amor, Perfeita Confiança e auxiliar, nessas vivências, o crescimento pessoal de cada membro do coven. Aprender a não fugir de confrontos, ouvir críticas e acolhê-las para refletir e crescer ainda mais.

15) Saber identificar pessoas-problema antes que estas detonem o grupo e arcar com o ônus de exclui-las.

16) Saber perceber claramente a mente-grupo que está sendo formada no círculo ou coven e saber identificar pessoas de energia compatível com essa mente-grupo para aceitá-las no círculo ou coven. Saber perceber quando uma pessoa absolutamente NÃO é compatível com um determinado círculo/coven.

17) Saber colocar o bem estar do grupo acima do bem estar individual de qualquer membro que não seja compatível com o grupo ou que esteja causando problemas.

18) Saber identificar as potencialidades dos diversos membros do grupo, levando-os a fazer aquilo que fazem melhor.

19) Ter uma vida ordenada em todos os seus aspectos, afinal, você será o exemplo que os membros do círculo/coven vão tentar seguir.

20) Perceber a motivação básica de cada membro para estar no grupo, ajustando os trabalhos de forma que cada um receba um pouco do que quer e de que precisa.

21) Saber dividir tarefas e delegar responsabilidades para que todos se sintam úteis e necessários. Saber cobrar, com rigor se preciso, se essas tarefas não forem executadas.

22) Saber que a liderança de um círculo/coven na Wicca não é uma democracia, mas também não é e não pode ser uma ditadura. Escreva as regras de funcionamento do círculo/coven e garanta o acesso a elas a todos os novos membros, para que eles saibam exatamente o que esperar do grupo no qual estão entrando.

23) Saber respeitar a individualidade da devoção de cada membro, a forma pela qual cada um se conecta com a Deusa e o Deus;

24) Ser absolutamente fiel à sua palavra em tudo o que diz respeito ao círculo/coven. Se os membros do círculo perceberem que sua palavra não vale nada, como poderão confiar a vida mágica deles a você?

Bom, certamente, essa lista elaborada às pressas ainda poderia conter muitas outras exigências para alguém ser líder de coven, seja ele auto-iniciado ou iniciado em uma tradição. Muitas coisas dessa lista se conquistam durante a vida e tradição alguma pode dar a alguém se esse alguém já não as tem…

O remédio para evitar ambos esses erros – quer o fundamentalismo anti-auto-iniciação, quer a auto- iniciação falsa dos apressadinhos é um só: correta informação, educação, senhores!

Assim, que os candidatos a liderarem grupos (covens ou círculos) vejam a lista acima e saibam que ela é só um exemplo rápido e – pensem: estou apto a fundar ou liderar um coven ou um círculo? Quem tem cacife que se habilite. Quem não tem, e sentir vocação para tanto, que trabalhe muitíssimo e o obtenha – seja dentro, ou seja fora das tradições.

E mais, só pra terminar de assustar os incautos mesmo: para tentar fundar uma Tradição os requisitos são ainda maiores… uma hora falamos disso.

Beijos, bênçãos de Danu, a Grande Iniciadora, 🙂

 

TATUAGENS MÁGICAS: UM ATO QUE PRECISA SER BEM PENSADO

TatooMa Mavesper Cy Ceridwen

O uso ritualístico de tatuagens sempre esteve presente, historicamente, entre muitos povos.

Se nos ocuparmos de estudar a história do hábito da tatuagem entre os grupamentos humanos, teremos a tatuagem ocupando diferentes funções, desde em sociedades tribais designar posição e função social de alguém, até atos ritualísticos, ritos de passagem, pactos sagrados, poderes ou simples ornamentação. A tatuagem também teve seu lugar como marca de discriminação social, marca e vergonha ou indicação de ser escravo, de ser criminoso, se ser pertencente a um grupo social que deveria ser discriminado. Dessa simples digressão histórica se conclui que a tatuagem ocupou e ocupa fins diversos em culturas diferentes, com menor ou maior grau de importância, que só pode ser compreendido dentro de cada cultura.

Hoje, a sociedade ocidental acolheu a tatuagem como um hábito comum e até valorizado, mas no tempo de meus avós ( ou seja, na primeira metade do século XX) ter tatuagem no Brasil ou significava que você era marinheiro, ou ladrão ou prostituta. E quem ousava usar a tatuagem como simples ornamentação arcava com essa visão que vinha acompanhada de preconceito e problemas sociais. Gente tatuada não conseguia emprego, não era bem vista pelos amigos, as pessoas tinha que esconder suas tattoos. Notem: não faz tanto tempo assim… é um piscar de olhos em termos de história.

A partir das décadas de 70 e 80 do século XX, no Brasil, a tatuagem foi sendo um hábito cada vez mais comum, primeiro popularizado pelos hippies e surfistas, depois atingindo maiores camadas da população. O preconceito foi minimizado, mas ainda hoje existe. A partir da última década do século XX, ser tatuado passou a significar ser descolado, e a ornamentação antes tão estigmatizada, passou a ser valorizada.

Hoje as pessoas se tatuam por diversos motivos: valorização e embelezamento estético, marcar que pertencem a um determinado grupo social, agredir padrões conservadores, expressar ideologias, disfarçar cicatrizes e outros sinais do corpo, tatuar em conjunto para expressar amizade, homenagear seus ídolos,  lembrar da família, romances, curas, passagens difíceis da vida e sua superação, há até os que tatuam o luto que sofreram perpetuando na tattoo sua saudade.

Quando um de nós que está no caminho wiccaniano resolvemos fazer uma tatuagem para fins mágicos, temos que ter presente que esse tipo de magia é um dos mais graves e mais poderosos que qualquer pessoa pode fazer. Logo, esse ato não pode ser leviano, encarado como se se tratasse apenas de algo estético, nem como um simples ato genérico. Também não pode ser feito impulsivamente, muito menos deve ser dedicado a uma divindade que você mal acabou de conhecer.

Arrisco afirmar que depois do ato iniciático e de alguns poucos pactos mágicos (como os de coven) tatuar-se com fins mágicos  é o terceiro ato mais grave que qualquer pessoa pode fazer em sua vida na Arte. O primeiro seria iniciar-se, ou seja, ingressar inexoravelmente na Arte. O segundo seria pertencer a um grupo de prática do Craft. O terceiro seria a tatuagem sagrada.

Imagino muita gente lendo este texto e dizendo: ” Nossa Mavesper, que exagero!”. Mas, feliz ou infelizmente, essa afirmação não é exagero nenhum: é uma simples expressão da realidade.

Tatuar-se é inscrever na sua carne e no seu sangue alguma coisa. É fazer uma união energética profundíssima com o símbolo e seu significado insculpida na sua carne e sangue, na sua dor e sacralizada por tudo isso. Não existe nenhuma magia mais poderosa que a magia da carne, do sangue e da dor, a não ser  a magia do amor.

Nossas listas e comunidades estão repletas de pessoas novatas dizendo coisas como ” Sonhei duas vezes com a Deusa X, vou tatuar seu símbolo  tal amanhã, estou super ansioso!”.

Quando eu leio essas coisas eu me pergunto: “Será que essa pessoa sabe mesmo o que isso significa e que mudanças ela vai acarretar para o curso da sua vida com tal ato?”

No mais das vezes eu acho que a pessoa não sabe. Está entusiasmada, está animada e quer se tatuar. Ponderação, meditação, reflexão, calma, tempo de conexão a respeito… nada disso está em discussão. O que realmente importa é “Eu quero me tatuar já!”.

Bom, para essas pessoas e para todas as outras que, mesmo não afobadas, também podem cometer erros de que se arrependerão muito depois, eu ofereço alguns conselhos. Conselhos esses vindos da minha própria vivência (eu tenho duas tatuagens ritualísticas) e da observação e acompanhamento de outras pessoas – tanto das que fizeram isso direito, quando das que fizeram errado.

Espero que essas ponderações ocupem a reflexão de todos os neo-pagãos que forem se tatuar magicamente.

Seguem então, alguns parâmetros para tratar de tatuagens mágicas.

ANTES DE TATUAR

1) SOMENTE TATUE ALGO MAGICAMENTE SE VOCÊ TIVER PLENA CERTEZA DE QUE VOCÊ QUER ESSA ENERGIA PRESENTE NA SUA VIDA PARA SEMPRE

Comentários: Muito importante pensar nisso: uma vez feita a tatuagem mágica, essa energia – mesmo que você tente bani-la se se arrepender – sempre estará inscrita em você. Até mesmo se você refizer  tattoo, etc, sempre haverá resquícios energéticos dos atos originais. Se você está na faixa dos 20 ou 30, pense: eu ainda quererei essa energia na minha vida quando tiver 80 anos?

2) ESCOLHA O SÍMBOLO A TATUAR EM FUNÇAO DE SUAS RELAÇÕES COM O SAGRADO QUE JÁ TENHAM NO MÍNIMO A DURAÇÃO DE 3 ANOS

Comentários: Hoje as pessoas mais novatas tendem a pensar em suas vidas mágicas como algo imediatista. Eu também já fui assim. Hoje, com quase 25 anos de sacerdócio, eu vejo que muita coisa passa. Energias e pactos que já foram importantíssimos para mim não são mais presentes. Tudo muda. Mas o que for inscrito pela magia do sangue permanece. O que você deseja que permaneça até você ter seus 80 ou 90 anos? Pense nisso. VOCÊ quer servir essa divindade, ou representar essa energia desse símbolo escolhido a vida toda? Pondere, pense muito, sinta muito antes de decidir. E , sério, antes de você passar no mínimo três rodas a serviço de certa divindade você mal começou a conhecê-la.

3) ESCOLHA A PARTE DO CORPO A TATUAR PENSANDO EM COMO A TATTOO VAI MUDAR A ENERGIA E A FUNÇÃO DESSA ESPECIFICA PARTE DO CORPO

Comentários: Tatuagens, especialmente as colocadas sobre os chacras, sempre mudarão os canais energéticos do local. Por exemplo, uma tatuagem no plexo solar afetará toda sua magia, tudo que tem a ver com o direcionamento da vontade…O que valeria a pena você tatuar nessa região, sabendo que até mesmo um simples traçado de círculo passará a ser filtrado pela tatuagem? Entendeu a seriedade dessa escolha? Tatuar um símbolo na mão de poder tem uma consequência, tatuar na mão não dominante tem outra. Assim, você precisa aprender com segurança sobre os locais de poder do seu corpo e direcionamento de energia antes de escolher o lugar da tatoo, ou então se aconselhe com alguém  que seja mais experiente que você e possa explicar exatamente que tipo de mudanças a tattoo acarretará. Você sabe como será a interação do símbolo com suas energias pessoais e aceita e assume essa mudança? Algumas tatuagens podem potencializar seus centros de poder, outras diminuí-los… Você conhece a diferença? informe-se. E cuidado: se você é wiccaniano, informe-se com wiccanianos. Livros gerais de símbolos ou praticantes de outros caminhos mágicos e religiosos podem ter parâmetros sobre essas coisas todas que não servem para você.

4) JAMAIS TATUE SIMBOLOS DE DIVINDADES ÀS QUAIS VOCÊ NÃO ESTEJA DISPOSTO A DEVOTAR SEU SACERDOCIO A VIDA TODA

Comentários: Tatuagem para sempre, devoção para sempre, serviço para sempre. Um exemplo: alguém se entusiasma com Kali, tatua seu Yantra, seu nome mágico no corpo. Isso equivale a dedicar seu sacerdócio principalmente a Kali. Há coisas belíssimas e sublimes no sacerdócio de Kali, como também há o lidar com a morte, a destruição e vingança para sempre… Você assume tanto o lado claro quanto o escuro dessa divindade e deseja ser instrumento vivo del@ no mundo? NUNCA tome essa decisão antes de pelo menos 3 Rodas do Ano com a Divindade, é o meu sensato conselho.

5) MEDITE PELO MENOS 9 MESES NO SIMBOLO ANTES DE PARTIR PARA A TATUAGEM.

Comentários: Conviva com o símbolo, medite com ele, explore-o no astral. Saiba tudo o que você pode saber do símbolo ANTES de se tatuar.

6) JAMAIS TATUE NOMES OU REPRESENTAÇÕES DE PESSOAS QUE POSSAM SAIR DA SUA VIDA

Comentários: Namoros, casamentos, grupos de magia são lindas relações, mas podem passar. Como você se sentirá olhando a tatuagem do nome do seu/ sua ex quando a relação de você tiver virado ódio ou indiferença? E que acharão desses nomes seus novos parceir@s? Há pessoas que tatuam nomes de pais, filhos, parentes, amigos. É melhor do que tatuar nomes de parceiros românticos, são relações mais duradouras, mas mesmo assim eu não gosto disso e jamais o faria. Pais e filhos morrem e ver seu nome na nossa pele não agravaria o luto e a saudade? No meu caso pessoal, certamente agravaria, por isso mesmo eu jamais tatuarei nome de ninguém no meu corpo.

7) NUNCA TATUE FEITIÇOS, ESSE É UM DOS ATOS MAIS ESTÚPIDOS QUE JA VI PESSOAS FAZEREM

Comentário: Tatuagens são lições de permanência. Feitiços devem ser possíveis de banimento total, porque o que você quer hoje pode mudar radicalmente amanhã. Embora se diga -e esteja certo em princípio- que tudo que é feito com magia pode por ela ser desfeito, a magia do sangue é uma das únicas que excepciona essa regra. Quase nunca se consegue banir completamente um feitiço inscrito na sua carne e sangue. Eu jamais tatuarei um feitiço no meu corpo. Fazer isso ao invés de usar algumas das  milhares de opções mais simples para fazer feitiço é como matar uma barata com uma bomba nuclear: desperdício de tempo, energia e muito provavelmente uma cagada mágica com a qual você vai lidar para sempre.

8) ANTES DE SE TATUAR CONVIVA COM O SÍMBOLO E MONITORE SUA ENERGIA E AS VARIAÇÕES DA MESMA EM RELAÇÃO A SUA ENERGIA PESSOAL.

Comentários: Complementação necessária do conselho 5. Personalize seu conhecimento da interação do seu corpo, mente e alma com o simbolo.

9) ESTEJA PLENAMENTE CONSCIENTE DA GRAVIDADE, IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADO QUE TEM A TAUTAGEM QUE VOCÊ ESCOLHEU E LEMBRE-SE QUE ELA É ALGO QUE VAI ACOMPANHAR VOCÊ PARA SEMPRE.

Comentários: Havia um antigo comercial de uma joalheria que focava em presentear seu cônjuge com um diamante e o slogan era ” Um diamante é para sempre”. Coloque esse slogan em neon na sua mente: “Uma Tattoo é para sempre”. Sugiro que você olhe na rede também fotos de pessoas idosas com tatuagens, acho um lindo modo de você se pensar no futuro e se vai se achar confortável em outras idades com o que deseja tatuar. Tatuagens são para sempre. Não entre na bobagem do “hoje em dia o laser apaga” que não é simples assim: há marcas, além da dor do processo e nem acho que o laser apagaria os resquícios mágicos da tatuagem originária.

DURANTE O ATO DA TATUAGEM

1) ESCOLHA DO TATUADOR

Comentários: Escolha uma pessoa compatível com símbolos pagãos, de desenho firme, atencioso e sobretudo cuidadoso com higiene e prevenção de contágio. Jamais escolha um tatuador pelo preço mais baixo. Conheça a obra dele com vagar e cuidado. Eu já deixei de fazer tatuagem com um profissional que se recusou a desenhar no papel antes, queria fazer a tattoo direto. Nem morta eu teria deixado isso rolar…Avalie @ profissional como desenhista, artista e também a energia da pessoa. Tudo isso vai influenciar no seu ato mágico. Escolha um@ tatuador@ compatível com você e suas crenças.

2)CUIDADOS COM A PRECISÃO DO DESENHO

Comentários: Símbolos pagãos, muitas vezes, como por exemplo um pentáculo, triskelion, triquerta ou um heptáculo ( estrela das fadas) geram energia de forma, o que implica que o desenho necessariamente tem que guardar proporções rígidas de precisão. Desenhar no papel é uma coisa, no corpo é outra. Escolha um@ profissional que entenda como esses símbolos vão se amoldar a seus músculos ou ossatura, para que o desenho não fique desfigurado e não deturpe a energia que você inicialmente desejava.

3) PREPARAÇÃO RITUALÍSTICA PARA O ATO

Comentários: Crie um ritual para sua tatuagem, pense em algum tipo de preparação prévia. Sugiro pelo menos 9 dias de preparação. Você pode manter um altar em casa para potencializar sua tatuagem magicamente, colocando nele símbolos dos Deuses ou de suas intenções com o ato ritualístico da tatuagem. Deixe o desenho sobre o altar e faça seu devocional nele nos 9 dias anteriores à tatuagem.

4) CONEXÃO DURANTE A TATUAGEM

Comentários: faça sua tatuagem dentro de um circulo wiccaniano completo, invoque direções, Deuses e as demais energias que você desejar. Prepare-se para o foco em sua intenção durante toda a tatuagem. Faça com que o círculo potencialize ao máximo sua finalidade.

5) PROTEÇÃO

Comentários: Faça suas rotinas de proteção e crie uma especialmente para o ato da tatuagem. Se você achar necessário, faça com que seu círculo de prática ou coven estejam reunidos para protegê-lo durante o ato.

6) INSIGHTS DURANTE O ATO DA TATUAGEM

Comentários: a dor altera seu estado de consciência, automaticamente. Durante a tatuagem, enquanto você se concentra para aguentar a dor e não se mover, você terá um estado mental e emocional perfeito para obter mensagens e conexões a respeito do ato da tatuagem e de sua vida em geral. Aproveite- abra-se para essa experiência e não deixe que a dor física roube de você um momento tão precioso de conexão e aprofundamento de seus objetivos e metas sacerdotais.

7) FIXAÇÃO DE OBJETIVOS

Comentários: mantenha, durante toda a tatuagem a mente firmemente focada em suas intenções mágicas. Reze, repita mantras criados especialmente para a ocasião ou deixe sua mente focada no objetivo, trazendo constantemente à consciência o porque você decidiu se tatuar e o que a tatuagem trará a sua vida. Se a tatuagem for um pacto de serviço a determinada Deusa ou Deus, deixe que seu sentimento seja todo devoção a el@s. Entregue-se.

8) CURA

Comentários: Tatuagens podem ser usadas como símbolos de fixação de curas físicas, emocionais ou espirituais. Creio que considero esta a única exceção recomendável para inserir um feitiço em uma tatuagem. Fixar a cura a trará para a realidade concreta de sua vida. Escolha com muito cuidado o que simbolizará essa cura, nunca use símbolos que possam gera dupla interpretação.

9) SACRIFÍCIO AOS DEUSES

Comentários: Pactos de serviço aos Deuses são excelentes formas de usar a tatuagem ritualística. Considere tudo que eu disse anteriormente e se pergunte:

  1. a) eu conheço a fundo essa divindade?;
  2. b) quero que meu sacerdócio seja direcionado a el@ e suas funções e características para sempre;
  3. c) aceito as consequências de me tornar especialmente ligad@ a essa divindade?
  4. d) amo essa divindade o suficiente a ponto de devotar grande parte de meu sacerdócio a el@?

 

 DEPOIS DA TATUAGEM

1) CUIDADOS DE HIGIENE E CICATRIZAÇÃO

Comentários: Siga as orientações d@ profissional escolhid@.

2) APRENDER COM A TATUAGEM

Comentários: Explore a realidade energética que a tatuagem trouxe a você, aprenda a e relacionar com ela e como ela poderá ser usada magicamente em ocasiões diferentes.

3) OBSERVAR AS MUDANÇAS

Comentários: Vá notando como a tatuagem mudou sua energia, o que foi acrescentado, modificado. Deixe o tempo passar e vá comparando e anotando as mudanças.

4) DIALOGAR COM A TATUAGEM

Comentários: Diga “OI!” para sua tatuagem, entenda como ela se relaciona com você.

5) EXPLORAR AS POSSIBILIDADES

Comentários: Explore as possibilidades mágicas da tatuagem, medite, experimente, use-a em feitiços e rituais e vá vendo como rola.

6) CALMA!

Comentários: Pelamordadeusa! Não se entusiasme e comece a fazer tatuagens como uma pessoa louc@. Tatuagem vicia, fácil, fácil… mas como tudo MODERAÇÃO, por favor!

7) PLANEJANDO NOVAS TATUAGENS

Comentários: Só faça uma nova tatuagem ritualística quando tiver passado pelo menos um ano e um dia da atual. Deixe que o símbolo tenha tempo de se sedimentar em você antes de mesclar outra energia nessa relação com sua tatuagem.

8) AVALIANDO RESULTADOS

Comentários: Passados uns 6 meses, avalie objetivamente como você se sente em relação a sua tatuagem mágica. Coloque no papel o que ela tem de bom ou ruim, o que você mudaria se pudesse. Essas reflexões são valiosas para as futuras tatuagens.

9) RECONHECENDO A TATUAGEM COM O PASSAR DO TEMPO E SUAS MUDANÇAS

Comentários: Muito importante também é você registrar, ao longo dos anos, como e por que suas tatuagens mudaram ou não de significado e poder no seu sentir. Pense sempre a longo prazo e veja se depois de um tempo a tatuagem não merece um retoque, que pode ser usado para seu empoderamento.

Bom, acho que era isso que eu tinha para partilhar com vocês. Não são leis, são apenas conselhos que eu dou a todas as pessoas com quem tenho laços mágicos, visando seu bem estar e alegria. Desejo a vocês todos lindas e poderosas tatuagens mágicas, se e quando vocês estiverem bem preparad@s para isso, de forma consciente e sagrada.

Abençoados Sejam!

Mavesper Cy Ceridwen

Carga do Senhor da Luz

eclipse

Eu sou o Senhor da Luz e meus são os melhores frutos da Terra, disponíveis a todos que se dispuserem a colhê-los.

Eu sou o Guardião da Árvore, e os frutos desta Árvore são os melhores dentre os melhores, disponíveis aos fortes e aos corajosos.

Eu sou o Aquele que Distribui a Fartura, e distribuo aos meus os frutos de seu labor, na medida exata de seu esforço e sacrifício.

Eu sou o Amante da Senhora, e compartilho meu êxtase com aqueles que dedicam a mim seu serviço a Ela.

Eu sou o Vale das Sombras, e aqueles que por mim transitam encontrarão o esplendor do amanhecer.

Eu sou a Pequena Morte, e aqueles que morrem comigo renascerão em gozo e regozijo.

Eu sou aquilo que sou, nada mais, e nada mais que isso exijo dos meus. Não é pouco.

(#PraCegoVer O Post é ilustrado com a imagem de um eclipse solar.)

Elogio à Vênus Victrix

Elogio à Vênus Victrix

Salve, oh! mãe intercessora,
salve rainha graciosa!
Salve, oh! mãe generosa,
salve guerreira canora!

Com fulgor vieste à vida,
nascida do mar, coroada
em púrpura e luz dourada,
puseste no amor a brida.

Mãe vestida em alegria,
e longo pelo cacheado,
nos trazes o desejado,
dos solitários és guia.

De nossos corações, senhora,
Noiva adorada, companheira,
és tu, Vênus, faceira,
ao nosso lado em vitória.

Chronos Phaenon, Novembro/2004